Como ajudar cães e gatos a viver uma vida mais saudável.

Necessidades ambientais dos gatos

Problemas comportamentais estão entre as principais causas de abandono dos pets. Eles podem ocorrer quando não oferecemos aos gatos os recursos necessários para atender suas necessidades físicas e emocionais. Fatores causadores de estresse nos gatos podem estar associados a alterações no ambiente, falta de estímulo ambiental, conflitos entre gatos ou com outros pets, baixa interação humano-gato, falta de controle e previsibilidade. Atender às necessidades ambientais dos gatos não é algo opcional, mas sim essencial para sua saúde e bem-estar.

Para entender o comportamento e as necessidades dos gatos, é importante lembrar que eles ainda mantêm diversos traços comportamentais do seu ancestral, o gato selvagem africano. Eles são animais que passam boa parte do seu dia a procura de oportunidades de caça em seu ambiente. Os gatos são animais territoriais e se sentem ameaçados com mudanças em seu território, sejam mudanças físicas ou a presença de outro animal desconhecido. O estresse também pode ocorrer pela presença de odores estranhos ou sons, que muitas vezes não são detectáveis ou significativos para os humanos.

CONHECENDO AS NECESSIDADES AMBIENTAIS DO SEU GATO

Ofereça um lugar seguro

Todo gato precisa de um lugar seguro e protegido para usar como refúgio ou que possa ser usado como uma área de descanso. Bons exemplos de lugares seguros são caixas de papelão, uma caixa de transporte ou prateleiras elevadas para gatos. É importante que, em ambientes com vários gatos, os locais seguros tenham entrada e saída, possibilitando rotas de fuga, e que cada gato tenha seu próprio local seguro para se refugiar caso se sinta ameaçado.

Ofereça múltiplos recursos e os distribua bem

Os recursos essenciais incluem alimentação, água, áreas de higiene, áreas para arranhar, áreas de brincadeira e áreas de descanso ou sono. Esses recursos devem ser adequados ao número de gatos, ou seja, equivalente ao número de gatos +1. Eles devem estar separados uns dos outros para que os gatos possam ter acesso livre sem serem desafiados por outros indivíduos, isso não apenas reduz o risco de conflito entre gatos, como também reduz o estresse e doenças associadas a ele.

Dê a oportunidade de brincar e expressar o comportamento predatório

O instinto predatório dos gatos também se estende às suas brincadeiras. Comportamentos predatórios e de brincar permitem que os gatos satisfaçam sua necessidade natural de caçar. A brincadeira pode ser estimulada com o uso de brinquedos interativos que imitam presas, como um objeto que é puxado pelo chão ou brinquedos que ondulam no ar. Os gatos precisam conseguir capturar a “presa” algumas vezes durante a brincadeira para não ficarem frustrados. Comedouros interativos que requerem um pequeno esforço para obtenção do alimento são ótimas alternativas para alimentar os gatos, pois imitam a ação da caça.

Garanta interações positivas, consistentes e previsíveis entre gatos e humanos

As preferências individuais dos gatos determinam o quanto eles gostam de interações humanas, como receber carinho, escovação e brincadeiras. Essas preferências dependem de como foram apresentados e socializados com humanos quando filhotes, entre 2 a 7 semanas de idade. É importante respeitar as preferências individuais de cada um. As interações mais positivas são aquelas iniciadas pelo próprio gato.

Garanta um ambiente que respeite o senso olfativo do gato

Os gatos possuem um olfato muito desenvolvido e utilizam esse sentido para avaliar o ambiente e se comunicar com outros gatos. Eles possuem glândulas que secretam feromônios e marcam seu cheiro esfregando a face e o corpo para definir limites nos quais eles se sentem seguros e protegidos. O uso de feromônios sintéticos pode proporcionar um efeito calmante em situações estressantes ou desconhecidas. Alguns odores podem ser ameaçadores para os gatos, como o cheiro de outros animais estranhos ou o uso de produtos com aroma artificial, como produtos de limpeza, por exemplo. Cheiros ameaçadores e a incapacidade de marcar seu odor podem levar a comportamentos problemáticos, como urinar ou defecar fora da caixa de areia ou arranhar áreas indesejáveis.

O médico-veterinário pode orientá-lo em relação às necessidades ambientais dos gatos e ajudar a desenvolver estratégias para colocá-las em prática. Leve seu gato ao médico-veterinário para consultas de rotina e acompanhamento de saúde, mesmo que ele não apresente sinais claros de doença.

Fonte: Ellis SL, Rodan I, Carney HC, Heath S, Rochlitz I, Shearburn LD, Sundahl E, Westropp JL (2013). AAFP and ISFM feline environmental needs guidelines. Journal of Feline Medicine and Surgery, 15(3), 219-230.