Ajudar os cães e os gatos a terem uma vida mais saudável.

Reações adversas aos alimentos

Para compreender por que é que um organismo pode reagir negativamente aos alimentos é necessário saber o que é uma alergia, para logo verificar como atuam os alimentos “hipoalergénicos”.

As alergias são uma reação adversa do sistema imunitário a elementos que, sem o serem, ele os considera patogénicos. Esta reação materializa-se com a libertação de histamina que, por sua vez, pode causar uma variedade de sintomas, desde comichão até diarreias, de intensidade muito variável.

Relativamente às alergias alimentares, podem ser englobadas na expressão “reações adversas aos alimentos”, referindo-se à reação indesejada do organismo a um alimento que foi ingerido.

No entanto, nem todas as reações adversas aos alimentos se devem à intervenção do sistema imunitário. Podem ser metabólicas (por exemplo, a intolerância à lactose), farmacológicas (as reações produzidas por alimentos que contêm histamina) e intoxicações alimentares (devido a toxinas), mas não são as únicas.

As reações adversas aos alimentos, nas quais intervém o sistema imunitário, provocam alergias ou hipersensibilidades alimentares, e ocorrem quando o organismo reconhece a proteína dos alimentos como estranha e ativa o sistema imunitário para lutar contra ela.

Embora sendo algo um pouco técnico, devido à sua importância, deve-se salientar que as reações adversas aos alimentos normalmente ocorrem contra uma glicoproteína hidrossolúvel, que tem um peso molecular de 10 a 70 kD e é relativamente estável ao calor, aos ácidos e às proteases. Os alergénios alimentares mais comuns no gato são as proteínas da carne, lacticínios, peixe e cordeiro.

Portanto, a proteína que causa as reações adversas geralmente está num dos alimentos que o animal habitualmente recebe, quer nos principais ou num dos extras (recompensas, medicamentos, etc.). Por outro lado, embora geralmente se responsabilizem determinados aditivos alimentares como agentes que provocam reações adversas, por exemplo, os conservantes, a verdade é que este caso raramente tem sido documentado em gatos.

Ao contrário das pessoas, a resposta clínica da alergia alimentar não é imediata nos gatos, nem representa uma ameaça à sua vida. Pelo contrário, assemelha-se muito ao aspeto da dermatite atópica e tem como principal sintoma a comichão não sazonal. Portanto, antes de considerar uma reação de hipersensibilidade alimentar ou ambiental, devem ser descartadas outras doenças que manifestam este sintoma, como as infestações parasitárias de sarna sarcóptica, demodicose, cheiletielose; bem como as alergias a parasitas, por exemplo, a dermatite alérgica provocada por picada de pulga; transtornos metabólicos, como o hipotiroidismo ou os dermatófitos. As infeções bacterianas também devem ser levadas em consideração e ser devidamente tratadas, dado que contribuem para a comichão e, muitas vezes, a agravam

Inline Image 1

Além da comichão, as reações adversas aos alimentos podem apresentar outros sintomas, como a seborreia, entre outros relacionados com a pele.Por conseguinte, os sinais clínicos de uma alergia alimentar não se distinguem dos da dermatite atópica, nem em termos de distribuição, já que aparecem no rosto, orelhas, axilas, região inguinal e abdómen. Além disso, há gatos que apresentam otite externa como único sintoma, mas na maioria dos casos, a otite é, normalmente, mais um sintoma.

Também podem aparecer sintomas gastrointestinais, por exemplo, vómitos intermitentes, fezes moles, diarreia crónica, motilidade intestinal aumentada e ruídos no intestino devido à circulação de gases.

Muitos dos casos de reações adversas aos alimentos ocorrem em idade precoce e ficou comprovado que os sintomas clínicos se manifestam antes de um ano de idade em quase metade dos casos.

Na realidade, há testes para diagnosticar as alergias alimentares como, por exemplo, os testes intradérmicos ou os testes serológicos, mas têm um valor diagnóstico limitado. Portanto, o único método de diagnóstico preciso é dar ao gato uma dieta de eliminação e o subsequente teste de provocação. Isto é, se lhe der uma dieta com uma única fonte de proteínas durante, pelo menos, seis semanas e verificar se os sinais clínicos desaparecem. Se assim for, se lhe der a alimentação anterior e os sintomas surgirem novamente, o diagnóstico fica confirmado.

Uma dieta de eliminação adequada deve basear-se numa única fonte de proteínas e hidratos de carbono que o animal não tenha recebido anteriormente. Portanto, é muito importante ter em consideração todos os hábitos alimentares, a alimentação extra, as recompensas e, até mesmo, os medicamentos administrados.

Para o gato é melhor escolher uma dieta de eliminação comercial; além disso, ficou comprovado que os donos aceitam melhor este tipo de dieta e são mais constantes, o que contribui para a existência de uma grande variedade selecionada de dietas com proteínas e, há vários anos, também estão disponíveis no mercado dietas com base em proteínas hidrolisadas.

Nestes alimentos, a fonte de proteína é degradada pela hidrólise enzimática, para obter péptidos mais pequenos, que os tornam menos alergénicos e mais digeríveis.

A este respeito, a alta digestibilidade destes péptidos, provavelmente, também contribui para reduzir a sua capacidade alergénica, dado que diminui o tempo de permanência no intestino e minimiza o aparecimento de reações alérgicas ou intolerâncias.

  • Bem-estar geral

Faça gosto e partilhe esta página

Artigos relacionados

Conselhos para preservar melhor o alimento do seu gato

Cuidado com as quedas!

Cuidado com o calor!